sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Suicide Girls, o erotismo pin-up underground







































Arte ou puro erotismo? Bem, parece-me que o Suicide Girls (portal para assinantes) consegue fundir estes propósitos de uma forma bem sui generis, deixando a cargo da nossa imaginação a resposta. Mesmo porque a diferença entre estes conceitos está na motivação do olhar de cada um ou na sua moral. Mas deixemos esta discussão pra uma mesa de bar.

O que realmente chamou a minha atenção nesta publicação não foi o nu feminino propriamente dito. Isso as coelhinhas Playboy já fazem e eu não dou a mínima. O Suicide foge do padrão “sex symbol” esterotipado, que tanto têm aguçado a imaginação onanista da maioria dos homens há décadas. Seu elenco e formado basicamente por punks, roqueiras, emos, darks, góticas e outras tribos.

O Suicide Girls se especializou em tirar a roupa daquelas garotas bem undergrounds, mas que têm o glamour das velhas e boas pin-ups. O que não deixar de ser um forte desasfio ao nosso hormônio C19H28O2, conhecido popularmente como testosterona. São garotas com tatuagens, piercings, cabelos coloridos, de diferentes raças e manequins. Umas são bem feinhas, diga-se, mas têm um puta estilo: tipo Amy Winehouse.

Além dos ensaios fotográficos, o Suicide Girls tem links para entrevistas com personalidades importantes da música, literatura, cinema e TV, que vai desde os mais certinhos aos mais alternativos. Clique aqui para bisbilhotar.