quinta-feira, 7 de outubro de 2010

Homens que fizeram a revolução sexual

assinatura Eles contribuíram para que o sexo  fosse encarado de uma forma diferente do que era concebido em suas épocas.

sexo-computadorizado Bem, não preciso dizer que o sexo é a forma mais intensa de prazer, tanto para homens como para mulheres. Já há indícios de que ele se mantém mais ou menos igual  desde a Idade da Pedra, há uns 40 mil anos. Ou seja, associado diretamente à sensação de prazer, não somente à idéia de reprodução.
Entretanto, ao longo da História da Moderna, o ato sexual foi muitas vezes tratado com preconceito, com pudor exacerbado e, sobretudo, com hipocrisia. Mas com o passar do tempo sua concepção foi mudando e velhos tabus foram caindo.
Claro que estabelecer padrões quando se fala de sexo é sempre complicado e até certo ponto perigoso, pois o que pode ser normal e aceitável para uns não é para outros. E foi exatamente neste contexto que surgiram homens que dedicaram ao estudo da sexualidade e do erotismo do ser humano.
Cada um à sua maneira contribuiu para que o sexo deixasse de ser tabu e fosse encarado de uma forma diferente do que era concebido em suas respectivas épocas. Selecionei aqui 7 deles, que polêmica à parte, foram responsáveis por mudança do nosso comportamento sexual.

Sigmund Freud Sigmund Freud - Para o pai da psicanálise, a função sexual existe desde a infância e não só a partir de puberdade como era o pensamento dominante em sua época. Segundo Freud, o período da sexualidade é longo e complexo até chegar à sexualidade adulta, onde as funções de reprodução e do prazer estão associadas, tanto no homem como na mulher. Esta afirmação contrariava as idéias predominantes de que o sexo estava associado exclusivamente à reprodução. Polêmica à parte, seus estudos deram a base para a psicologia moderna e a tentativa de se entender a sexualidade humana.

 Kama Sutra 1 Mallanaga Vatsyayana - Filósofo indiano a quem é atribuída a autoria do “Kama Sutra”. Seus ensinamentos, embora conduzam ao prazer, visam, em primeiro lugar, à elevação espiritual do homem em sua trajetória religiosa. Seja como for, no Ocidente ele se tornou a maior referência para variadas posições sexuais. É uma das publicações mais vendidas no mundo.


Marquês de Sade. Marquês de Sade – Seu nome verdadeiro é Donatien Alphonse François de Sade. Escritor, dramaturgo e filósofo, ele é considerado um dos pioneiros da revolução sexual, com suas idéias libertárias e permissivas, e um dos primeiros a ter uma visão moderna da homossexualidade, pois defende a existência de diferentes orientações sexuais.
Sua obra “Os 120 Dias de Sodoma” é uma narrativa onde nada é sagrado: leis, país, vida, sexo, homens e mulheres existem única e exclusivamente para o prazer daqueles que detêm o poder. E tudo num clima de extrema violência, escatologia, mutilações e assassinatos. Seu nome originou a expressão sadismo.

playboy Hugh Hefner - O fundador da Playboy é o grande mentor da revolução sexual masculina. Foi através de sua revista que o homem moderno passou a adotar novas formas de comportamento, consumo e de entretenimento. E que entre outras contribuições, foi o precursor do apartamento de solteiro, do sofá-cama, da cama redonda e do primeiro Big Brother da história da televisão mundial.

gagnta profunda 2 Gerard Damiano e Mitchell Brothers – Eles foram os responsáveis pela criação da bilionária industria do cinema pornográfico. Em 1972, dirigiram “Garganta Profunda”', o clássico com Linda Lovelace sobre a mulher que tinha o clitóris na garganta. Produzido com pouco mais de 20 mil dólares, o filme não só se tornou símbolo da revolução sexual em curso com foi a maior bilheteria de todos os tempos para época: faturou ma de 6 milhões de dólares.

pilula Gregory Pincus - Incentivado pela feminista e ativista social Margaret Sanger e Katharine McCormick, uma milionária que financiou a pesquisa, ele desenvolveu a pílula anticoncepcional feminina, a principal causa da “revolução sexual” dos anos de 1960. Foi a partir daí que mulheres e homens tivera total liberdade sexual fora do casamento sem medo da gravidez.

Cores_verde-branco Licença poética
Carlos ZéfiroCarlos Zéfiro – Como não poderia deixar de ser, tem de ter um brazuca nesta história. E o nome delee é Carlos Zéfiro. A rigor, não foi um revolucionário. É mais uma licença poética da minha parte.
Durante as décadas de 1950/60 até meados da de 70, o adolescente brasileiro só tinha uma alternativa para dar vazão a suas fantasias eróticas: as “revistinhas de sacanagem”, mais conhecidas em São Paulo também como “catecismos”.
Criados e produzidos por Zéfiro, os tais “catecismos” retratavam o ato sexual com naturalidade, sem falsos pudores, sem hipocrisia e com alguma poesia. Seu traço e texto eram uma fantástica viagem ao mundo da imaginação erótica masculina, sem qualquer tabu, seja ele social, comportamental ou religioso.