quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Tecnologias que não morrem e são úteis até hoje

assinatura post É incrível que objetos e tecnologias com 2.000, 3.000 e  até 6.000 anos consigam resistir ao tempo e serem úteis ou insubstituíveis até os dias de hoje.

foto_1247589992_pipa Você não precisar ir muito longe ou a museus para ter contato com objetos e tecnologias que resistem ao tempo e são úteis ou insubstituíveis até os dias de hoje. Basta dar uma olhadinha agora mesmo em seu entorno para visualizá-los.

Só para se ter uma idéia, aquela chave na porta do seu quarto foi inventada há mais de 4.000 anos. Já aquele papel que você usa para anotações diversas data de 100 a.C.. Até a pipa, um dos brinquedos nais populares  até hoje entre as crianças, nasceu em 1.200 a.C..
Em suma, por mais que se queira romper com o passado, ele sempre estará presente em nossas vidas. A história do homem sempre foi e sempre será a combinação de novas e velhas tecnologias. Ou seja, o que temos hoje nada mais é do que a combinação perfeita do passado mecânico, analógico e digital.
Veja alguns objetos que resistem ao tempo.
mapamundi1jun Mapas (6.200 a.C.) - Os mapas mais antigos que se conhecem foram encontrados pitados numa parede da antiga cidade de Hank Sukur (Turquia) e datam de cerca de 6.200 a.C.. Com a invenção do papel, passaram ser desenhados em folhas de papiro. (fonte)
chave 1 Chaves (2.000 a.C.) - A chave e a fechadura em forma de cilindro foram inventadas pelo norte-americano Linus Yale e foi patenteada em 1861. Entretanto, fechaduras semelhantes eram usadas no antigo Egito há cerca de 4.000 anos atrás e eram feitas de madeira. (fonte)
folha_de_papel Papel (100 a.C) - A invenção do papel com fibras vegetais é atribuído a um oficial do tribunal chinês, Cao Lun, por volta de 100 a. C.. A primeira fábrica de papel foi instituída em Tsai Lun, China no mesmo ano. China começou a fabricar papel em quantidade com fibras de cânhamo e com casca de árvore. (fonte)
lapis Lápis (500 a.C.) – A versão moderna do lápis surge no século 16 com a descoberta de uma fonte de grafite pura na Inglaterra. As barras de grafite eram cortadas em pedaços e posteriormente embrulhadas em peles de ovelha ou cordeiro ou ainda em cordões. Entretanto, sua versão rudimentar surgiu durante o Império Romano e consistia de um pedaço de metal fino utilizado para escrever nos papiros. (fonte)
bussola Bússola magnética (2000 a.C.) – Apesar da digital, a bússola magnética é ainda a mais confiável. Acredita-se que ela foi descoberta por volta de 2000 a.C. e aperfeiçoada por Flávio Gióia, em Amalfi, na Itália, em 1280. (fonte)
telefone 1 Telefone sem fio (1860) – Apesar de muitos atribuírem a invenção do telefone (1876) a Alexander Graham Bell, o aparelho foi inventado pelo italiano Antonio Meucci, que o chamou “telégrafo falante”. A primeira demonstração pública da invenção de Meucci aconteceu em 1860. (fonte)
fotocopiadora Copiadora (1937) - A primeira copiadora foi pelo advogado de patentes Chester Carlson e pelo físico Otto Kornei , em 1937. Em 1942, Carlson patenteou sua invenção, mas continua as suas pesquisas até fechar parceria com uma pequena empresa chamada Haloid para produzir esse tipo de equipamento. Carlson continuou com suas pesquisas e, durante esse tempo, sua invenção recebeu o nome de xerography (xerografia) em alusão à combinação das palavras gregas xerox (seco) e grafia (escrita). Tempos depois, a Haloid criou a marca Xerox para esse tipo de produto. Mais informação aqui. (fonte)
pipa Pipa (1,200 a.C.) - As pipas nasceram na China antiga. Sabe-se que por volta do ano 1200 a. C. foram utilizadas como dispositivo de sinalização militar. Os movimentos e as cores das pipas eram mensagens transmitidas à distância entre destacamentos militares. No século 12, na Europa, as crianças já brincavam com pipas. Benjamin Franklin utilizou uma pipa para investigar e inventar o Pára-raios. Hoje, a pipa mantém a sua popularidade entre as crianças de todas as culturas. (fonte)