quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Twitter, um termômetro das emoções humanas

assinatura post O Twitter não é só um meio de se divulgar as últimas notícias ou de se interar do dia-a-dia das celebridades. Ele também tem servido para que pesquisadores detectem o estado de ânimo da humanidade em função da hora do dia e a época do ano.
Independentemente da cultura, localização geográfica ou avanço tecnológico, os seres humanos sentem emoções bem semelhante em cada momento. Para chegar a essa conclusão, os pesquisadores analisaram 509 milhões de tuites enviados por 2,4 milhões de pessoas espalhada em 84 países durante um período de 2 anos.
Scott Golder e Michael Macy, sociólogos da Universidade Cornell de (EUA), concluíram algo que já é intuitivo. As pessoas são mais felizes nos fins de semana e quando acordam de manhã do que à noite antes de dormir. Ou seja, à medida que o dia vai avançando, o bom humor vai de deteriorando até se transformar em mau (ou quase).
Aos sábados, domingos e feriados, no entanto, o bom humor dura 2 horas mais pela manhã, porque nesses dias se dorme mais. O mesmo acontece em países como os Emirados Árabes Unidos, onde a semana de trabalho é de domingo a quinta-feira. Lá também o bom humor coincide com os feriados como no resto de Planeta.
Tudo parece indicar que o sonho e a qualidade da luz durante o dia são fatores determinantes para as emoções cíclicas, tais como prazer, medo ou raiva. Os dois "picos" de "boas vibrações" são no início da manhã e perto da meia-noite, quando o cérebro se prepara para a cama, enquanto a maioria das tensões desagradáveis ​​coincidem com o tempo dedicado ao trabalho.
  Os sentimentos positivos registrados no mapa-múndi: quanto mais vermelho, mais bem humorado. Nas regiões em preto não houve coleta de dados.
Para os pesquisadores, um estudo com essa abrangência não seria possível sem as redes sociais. Antes, nenhuma outra pesquisa tinha conseguido reunir pessoas com características tão diferentes. Além disso, a análise foi feita diretamente sobre o conteúdo postado pelos usuários, sem qualquer tipo interferências. Para compilar os  dados, foi usado usaram um programa de análise de textos chamado Linguistic Inquiry and Word Count. Fonte: El Mundo-ES