quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

Estudo detona mito da maldição do “Clube 27”

 
assinatura post Artistas como Amy Winehouse,  Janis Joplin e Kurt Cobain morreram aos 27 anos,  coincidência que agora um estudo estatístico coloca em xeque ao classificar de "mito" a teoria da idade  "amaldiçoada". 

Enquanto a fama pode aumentar o risco de morte dos músicos em sua juventude, provavelmente devido a uma vida de excessos, esse o risco não se limita aos 27 anos, dizem os autores do estudo, publicado edição natalina o British Medical Journal.
Os pesquisadores, liderados por Adrian Barnett, da Universidade de Tecnologia de Queensland, na Austrália, advertem também que os músicos famosos têm de 2 a 3 vezes mais probabilidades de morrer prematuramente entre 20 e 30 anos que a população geral.
Desde meados do século passado, mais de 40 músicos passaram a engrossar o chamado "Clube 27" de jovens estrelas mortas nessa idade considerada "maldita": alguns deles morreram em acidente de trânsito, outros se suicidaram e muitos faleceram por overdose de drogas ou bebida alcoólica.
A equipe de Barnett pôs à prova a tese do “Clube 27” ao estudar o índice de mortalidade entre 1.046 músicos que tiveram pelo menos um disco no topo das paradas britânicas entre 1956 e 2007. Durante esse período, faleceram 71 deles (7%), incluindo cantores pop, estrelas do heavy metal, roqueiros e até atores dos Muppets.
Os autores  do estudo fizeram uma análise matemática para calcular a incidência de morte entre os de 27 anos. Assim, determinaram que o risco de morte não alcança um pico nessa idade, embora entre 20 e 30 anos seja maior que entre a população geral.
Também comprovaram que houve muitas mortes entre músicos que tinham entre 20 e 40 anos na década de 1970 e no início dos anos de 1980.
Surpreendentemente, não ocorreram falecimentos nesse grupo de idade no final dos anos 1980, algo que se pode atribuir à melhora nos tratamentos para overdose de heroína ou à mudança de estilo musical, que passou do hard rock de 1970 ao pop de 1980.
Por tudo isso, o estudo conclui que o “Clube 27” é apenas um mito, mas alerta sobre o maior risco de morte entre 20 e 30 anos. Fonte
Cores_verde-branco “Os belos cadáveres” do rock




“Espero morrer antes de chegar à velhice”, diz The Who na música “My Generation” (1965). “É melhor queimar-se que enferrujar-se” , recomenda Neil Young em “My My, Hey Hey (Out Of The Blue (1979).

O rock e o pop têm pregado um estilo de vida rápido e agitado. E assim, muitas de suas figuras têm vivido e morrido na mesma velocidade. A frase emblemática “Viver rápido, morrer jovem e deixar um belo cadáver” (James Dean) parece ser a tônica do mundo do rock e pop.

É por essas e outras e a recente morte de Amy Winehouseque a Galeria Proud (Londres), especializada fotografia musical, resolveu organizar a exposição The Day The Music Died (O Dia Em Que a Música Morreu), uma antologia de imagens de estrelas do rock e do pop falecidas muito cedo.