sexta-feira, 1 de fevereiro de 2013

Beijo na boca denuncia crime sexual e infidelidade

beijo na bocaassinatura post Em um beijo apaixonado na boca um casal não só troca uma infinidade de bactérias e saliva, mas também código genético. Uma equipe de pesquisadores do Instituto de Biologia Molecular da Universidade Comenius (Eslováquia) constatou que o DNA trocado permanece na boca por pelo menos uma hora.
Os cientistas acreditam que essa descoberta poderá ajudar a encontrar pistas em caso de agressão sexual e até revelar sinais de infidelidade.
Para chegar à essa conclusão, foram selecionados 12 casais voluntários que concordaram em beijar-se intensamente na boca durante 2 minutos.
Em seguida, em intervalos de 5, 10, 30 e 60 minutos, recolheram amostras de saliva das mulheres. O método utilizado é baseado na detecção do cromossomo ”Y”. Por isso, só permite detectar o DNA masculino na saliva da mulher.
“Demonstramos que é possível obter um perfil genético completo, o que poderá ser útil na investigação de crimes sexuais, identificar suspeitos e excluir inocentes”, explica Natália Kamodyová, responsável pela pesquisa, à revista New Scientist.