sábado, 2 de março de 2013

Aquecimento global: o mundo debaixo da água

derretimento do gelo polar Nova York seria uma das primeiras cidades a ficar debaixo da água.
assinatura post Uma das principais e mais importantes consequências relacionados ao aquecimento global para a atual civilização seria o aumento do nível do mar.
Se o gelo das calotas polares desaparecer completamente, o nível da água pode subir para quase 70 metros, o que significaria o desaparecimento de grandes extensões de terra, que passariam a ser regiões submarinas.
Embora seja praticamente impossível que algo assim aconteça da noite para o dia, aplicativos como o FloodMap  permitem “inundar” o mundo para simular os efeitos da elevação do nível mar nas regiões costeiras atuais.
Foi precisamente o que fez o blogue espanhol Fronteiras: uma simulação de como seria a transformação do nosso planeta à medida que a água fosse avançado sobre os continentes.
mapa holanda Mapa da Holanda sem os sistemas de diques e barreiras que mantém o mar isolado.
Desde 1870, o nível do mar subiu entre 10 e 20 centímetros. Se esse número passar para 5 metros, quase a metade do território da Holanda ficaria submerso, depois que os diques do Mar do Norte e barreiras de contenção se rompessem . Hamburgo e Bremen, na Alemanha, Antuérpia e toda a costa belga inundariam. Espanha e França também sofreriam consequências.
Mapa de Florida Mapa de Florida com o nível do mar 5 metros acima do atual.
Com um aumento de 10 metros, três quartos da Holanda já estaria debaixo de água, enquanto as Maldivas, Tuvalu e Marshall desapareceriam completamente, assim como 20% da Flórida e das Bahamas. Em Nova York, o mar penetraria haveria 200 km no vale do rio Hudson até chegar em Albany. No Brasil, o Atlântico avançaria 1.000 km até chagar em Manaus e o vale do rio Paraná ficaria inundado até Rosaria (Argentina). As Maldivas ficariam apenas com 2 metros de terra acima do mar.
Maldivas O ponto mais alto das Maldivas ficaria com 2 metros fora das águas.
Com o mar subindo 20 metros, 90% da Holanda e boa parte da Itália ficariam debaixo da água.  A enchente do rio Tâmisa faria de Londres uma imensa lagoa de água salgada e alagaria quase que por completo a costa atlântica da Espanha.
Com 66 metros de aumento no nível do mar, praticamente todo o gelo do mundo teria derretido causando a perda de 13 milhões de quilômetros quadrados de territórios costeiros, onde residem mais de 2 bilhões de pessoas.
estátua da liberdade submersa Assim, a Holanda, metade da Bélgica, quase toda a Dinamarca, 90% em Bangladesh , dois terços do Camboja, praticamente todo o território do Senegal e Gâmbia estariam debaixo de água. Cidades como Estocolmo, Barcelona, ​​Boston, Nova York, Miami, Amsterdam, São Petersburgo, Roma, Florença, Tóquio, Lisboa, Marselha, Berlim, Colônia, Pequim, Paris, Buenos Aires e Bagdá também sucumbiriam à inundação.
Na América do Sul, o avanço da água formaria um gigantesco mar na região Amazônica, devastando milhares de km de floresta. Montevidéu , Buenos Aires e Asunción seria riscadas do mapa terrestre.
Neste cenário hipotético, o mundo seria muito diferente do que o conhecemos hoje.
mundo dabaixo dagua Mapa Múndi após o derretimento de todo o gelo polar. Veja como ficou o Golfo do México e como o Amazônia deixou de ser um rio para se tornar um gigantesco mar. China e Bangladesh perdem parte significativa de seus territórios, e todas as cidades costeiras desapareceram (clique aqui para ampliar a imagem).