terça-feira, 12 de março de 2013

Para Kim Dotcom, Hollywood fomenta a pirataria

Kim Dotcom 10assinatura post O fundador do extinto Megaupload , atual Mega e futura Megabox, Kim Dotcom , usou uma coletiva de imprensa nos EUA retransmitida pelo Skype durante a edição deste ano do SXSW para criticar o modelo de distribuição da indústria cultural, que não se adaptou bem à era da internet.

Dotcom anunciou no encontro que o seu serviço de download de música Megabox (lançamento previsto para  daqui a 6 meses) será negociado diretamente com os artistas sem qualquer intermediação da indústria fonografia.
“Hollywood tem um modelo de negócio obsoleto que não funciona mais na era da Internet. Quando os estúdios de cinema lançam os filmes nos EUA para só depois de 3 ou 6 meses fazer o mesmo em outras partes do mundo, estão na realidade fomentado da pirataria”, diz o fundador do Megaupload.
Neste sentido, deu como exemplo sites ou serviços da Internet ou que oferecem exatamente o que a deseja o usuário no momento em que deseja: "Se você vai à Wikipedia e desejas pesquisar um artigo, você consegue" .
Esse é o modelo pelo qual a apostar o fundador da Mega.  Ele quer criar serviços de distribuição de conteúdo, independentemente do seu local de compartilhamento de arquivos e que coloquem diretamente em contato artistas e consumidores. Atualmente está envolvido nos projetos Megabox (música) e Megamovie (filmes) . Fonte
No momento, Dotcom responde processo em liberdade e teve que tirar o Megaupload do ar , acusado pela justiça da Nova Zelândia de promover pirataria em massa de músicas e vídeos. Ele também enfrenta um pedido de extradição feito pela Justiça dos EUA, que o acusam de infringir as leis de direitos autorais e causar prejuízo de cerca de 500 milhões de dólares a estúdios de cinema e gravadoras.