quarta-feira, 10 de abril de 2013

Elas também foram Damas de Ferro

dmas de ferroassinatura post Morreu esta semana, aos 87 anos, Margaret Thatcher, a Dama de Ferro, que em maio de 1979 se converteu na primeira mulher a assumir o posto de primeira-ministra da Inglaterra. Permaneceu no poder por mais de 11 anos ininterruptos, um recorde de longevidade no poder no século 20.
Mas ela não foi a única mulher a comandar um país com determinação, ousadia e a mudar o rumo de seu país. Veja abaixo outros exemplos de mulheres fortes que se destacaram na política internacional. Ou seja, mulheres que comandaram seus países com valentia e, sobretudo, com muita determinação.
Cleópatra Cleópatra - É uma das mulheres mais conhecidas da história mundial por ter sido a mais intrigante rainha do Egito. Longe de ser apenas uma mulher fútil e entregue aos prazeres mundanos como muitos acreditam, Cleópatra foi uma grande negociante, estrategista militar, falava 6 idiomas e conhecia filosofia, literatura e arte gregas. Ela foi uma das mulheres mais retratadas no cinema. A imagem é um busto encontrado em Alexandria que se acredita ser Cleópatra.
Rainha Elizabeth I Rainha Elizabeth I – Seu reinado foi considerado de paz e prosperidade, comercial e culturalmente. Ficou conhecida como “a rainha virgem” por nunca ter se casado. Governando um país dividido por questões religiosas, ela unificou a Inglaterra ao dominar a nobreza e afastar a Igreja do governo. Em 1588, abriu de vez o caminho para a Inglaterra se tornar a maior potência colonizadora do Novo Mundo. Para os ingleses, ela foi ótima. Já para os colonizados, nem tanto
Golda Meir Golda Meir – Ela se dedicou à causa sionista e foi uma das fundadoras do Estado de Israel, em 1948. Pelas posições que adotou quando primeira-ministra, em 1969, foi taxada de a "dama de ferro", bem antes do termo ser adotado para descrever a ex-premiê britânica Margareth Thatcher.
95e39/huch/1887/35 Indira Gandhi – Tornou-se primeira-ministra da Índia em 1966. Foi reeleita como chefe de governo em 1971, graças a uma campanha que assentava no slogan ‘garibi hatao’, que significa expulsar a pobreza. Adotou essa luta para eliminar a fome que devastava a Índia. Perdeu as eleições de 1977, mas regressa ao governo em 1979 até ser assassinada, em 32 de outubro de 1984, por um extremista.
Benazir Bhutto Benazir Bhutto - Após a execução do seu pai, em 1979, ela assumiu a liderança do Partido Popular do Paquistão ao lado da mãe. Depois da vitória do seu partido em 1988, ela se tornou a primeira premiê de um estado mulçumano, cargo que voltaria a ocupar em 1993. Em 2007, Benazir foi morta em um atentado suicida quando saia de um comício.