quarta-feira, 29 de maio de 2013

Gigante do fast fashion diz que errou com modelos anoréxicas, agora quer mulheres com curvas

Aymeline Valade,assinatura post Ano passado, a gigante sueca do fast fashion de moda feminina H&M foi fortemente criticada e acusada de promover a anorexia ao produzir uma campanha com a modelo Aymeline Valade, comparada a um cadáver devido a sua magreza extrema.

O tempo passou e parece que a empresa caiu na real real ao reconhecer a sua responsabilidade na cadeia de moda ao escolher as protagonistas das campanhas publicitárias.Agora vai mudar o perfil físico de suas modelos.
Aymeline Valade 10 Karl-Johan Persson, presidente executivo da empresa, depois de receber uma enxurrada de críticas por promover modelos extremamente magras em suas campanhas admite agora que errou.
Aymeline Valade _ H&M "Nós temos uma enorme responsabilidade nestas questões.  Somos uma grande empresa, muitas pessoas nos veem e somos um grande anunciante. Algumas de nossas modelos têm sido excessivamente magras”, admite Persson.
Beyoncé Beyoncé 12 O executivo garante que chegou a hora de mostrar diversidade em seus anúncios e que a empresas não pretende estabelecer um padrão físico feminino. "A nossa última campanha foi protagonizada por Beyoncé, que tem mais curvas. Minha ideia é que as modelos de nossos anúncios devem aparecer saudáveis”, explica ele.
Persson faz uma distinção entre as modelos extremamente magras ou que estão muito abaixo do seu peso das que são apenas magras. “São com essas que queremos trabalhar, desde de que tenham bom aspecto”. Fonte