segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Cartaz de Bento 16 maquiado gera grande polêmica

papa emérito Bento 16post Um cartaz publicitário que aparece o papa emérito Bento 16 maquiado para divulgar um festival cinematográfico sobre homossexualidade e religião, organizado por estudantes da Universidade de Milão, gerou uma enxurrada de críticas em toda Itália.
A peça, veiculada este domingo (17) no site do Corriere della Sera, mostra uma imagem de Joseph Ratzinger manipulada por computador, onde ele parece com sobra verde nos olhos, blush e batom.

O panfleto foi duramente jornal "Il Giornale", propriedade da família do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, que considera a iniciativa "blasfema e uma ofensa para toda a comunidade católica".
O conselheiro do partido Forza Itália, Matteo Forte, em declaração o "Corriere della Sera", disse que se trata de "um menosprezo à autoridade religiosa". Em resposta, os organizadores disseram que "o verdadeiro problema não é a provocação, mas a homofobia".
Já a professora de Filosofia e Moral (Universidade de Milão), Laura Boella, se manifestou dizendo que "a escolha dos estudantes na elaboração do panfleto deve ser contextualizada" e aplaudiu que tenham organizado um evento sobre um assunto importante como a homofobia.
No entanto, considerou que “é preciso levar sempre em conta as consequências de nossas decisões sobre aqueles que se encontram em uma posição oposta à nossa".
Por sua vez, o jurista da Universidade Católica de Milão, Andrea Nicolussi, afirmou que não se sentiu "escandalizado" pela foto, mas declarou que a imagem representa "uma provocação paradoxal, já que quem combate a discriminação está, por sua vez, discriminando".
"Como católico me surpreendeu o fato de que o papa emérito, como ser humano, foi tratado mal. É uma pessoa idosa que escolheu retirar-se da vida pública e sua vontade foi violada", considerou.