terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Lorde, sensação no Grammy e nova queridinha pop

lorde - grammy 2014 post Seu nome verdadeiro é Ella Maria Lani Yelich-O'Connor. Nunca ouviu falar nela, não é verdade? Agora quando se fala Lorde, tudo bem. Essa neozelandesa de 17 anos se tornou a nova queridinha da indústria fonográfica, a nova sensação do momento.

Lorde - Royals Lorde estourou no ano passado com o hit "Royals", canção que lhe valeu mais de 170 milhões de visualizações no YouTube (vídeo abaixo), encabeçar a lista top 100 da Billboard, nos Estados Unidos. E por fim, faturar 2 Grammys dos 4 indicações: Canção do Ano, Single do Ano e Performance Solo Pop do Ano (“Royals”) e Álbum Vocal Pop do Ano ("Pure Heroine"). Levou o prêmio de melhor canção e o de melhor performance pop solo.
Lorde - pop Mas, enfim. Na minha modesta opinião, Lorde é mais um daqueles fenômenos fugazes criados pela indústria fonográfica para tapar buracos em tempos de vacas magras, como é o caso neste momento (veja aqui).

É mais um rostinho bonitinho, fabricada para consumo imediato. Talento? É lugar comum. É genérico de procedência duvidosa. O que salva um pouco é o seu vocal vigoroso. Apenas isso. 
Ela é apenas mais um daqueles subprodutos que o show business lançam no mercado do fast-food musical, com muitas calorias mas pobre em nutrientes, elaborado com todo o cuidado, bonitinho, cheirosinho e embaladinho, mas com data de validade. Realmente, a música pop ta uma merda. Só a deliciosa Beyoncé está salvando esse mercado no momento.
Daft Punk Vale lembrar que o duo francês Daft Punk foi o grande destaque do Grammy 2014, ao vencer em 5 categorias: Álbum do Ano e Single do Ano,  Melhor Performance Pop de Duo/Dupla, Melhor Álbum de Dance/Eletrônica e Álbum Com Melhor Engenharia de Som.

0 comentários:

Postar um comentário