sexta-feira, 18 de abril de 2014

Cientistas da Nasa descobrem o primeiro planeta similar à Terra que pode ter vida

Kepler-186fpost Os cientistas que rastreiam o Espaço em busca de novos e promissores mundos fizeram um grande progresso ontem (17). Pesquisadores da Nasa anunciaram a descoberta do primeiro planeta com o tamanho bem próximo da Terra e que poderá ser habitável.

Chamado de Kepler-186f, ele é o quinto e mais extenso Planeta de seu Sistema Solar e está localizado a 490 anos-luz de distância (um ano-luz corresponde a distância que a luz percorre em um ano, cerca de 9,5 trilhões de quilômetros).
Kepler_Space_Telescope. O Planeta foi descoberto pela sonda Kepler (foto acima), lançada em março de 2009. A região do Sistema Planetário foi definida como uma área em torno de uma estrela, onde o planeta receberia a quantidade certa de radiação com possibilidade de abrigar água em estado líquido.
Os astrônomos explicam também que o planeta é ligeiramente maior que a Terra e que desconhecem a sua massa. Acreditam que tenham uma superfície rochosa com a nossa. “A hipótese de que ele possua uma superfície rochosa como a da Terra é muito grande”, explica Stephen Kane, da Universidade de São Francisco (EUA).
Kepler-186f 1 Até o momento, os planetas detectados nas zonas habitáveis de estrelas são todos substancialmente maiores do que a Terra. Por isso, esta descoberta é considerada um marco na pesquisa de planetas “gêmeos” do nosso, onde poderia existir vida como a conhecemos.
Entretanto, como Kepler-186 é uma estrela anã, muito diferente do nosso Sol, os cientistas consideram que o Kepler-186f é mais um “primo” da Terra do que um “gêmeo”.
Kepler-186f 2 “Estar em uma zona habitável não significa que este planeta é habitável. A temperatura do planeta é muito dependente do tipo de atmosfera que ele tem. Ele pode ser descrito como um "primo" da Terra, contendo muitas propriedades que lembram o nosso planeta”, explica Thomas Barclay, coautor do artigo, publicado na revista Science.
Neste momento, não há perspectiva imediata de descobrirmos se há mesmo vida por lá. Embora o telescópio espacial James Webb, que deve ser lançado em 2018 pela Nasa, tenha a capacidade de analisar a composição atmosférica de mundos similares, o Kepler-186f está longe demais para passar por esse tipo de observação.
Kepler-186f 6 A esperança dos cientistas é encontrar outros planetas similares que estejam mais perto. Uma missão espacial dedicada a isso, chamada TESS, deve ser lançada em 2017 pela Nasa. A atual descoberta é, portanto, apenas o começo de uma nova era no estudo dos incontáveis mundos que existem fora do nosso Sistema Solar.