quarta-feira, 23 de julho de 2014

Vaticano reabilita e abençoa filme de Pier Paolo Pasolini sobre a vida de Jesus 50 anos depois

O Evangelho segundo São Mateus - Pasolini apost E a Igreja católica leva Pasolini ao Paraíso. Segundo o jornal L'Osservatore Romano, a obra do polêmico Pier Paolo Pasolini, "O Evangelho segundo São Mateus", foi reabilitada pelo Vaticano na última terça-feira (22) ao afirmar que “se trata do melhor filme já feito sobre a vida de Jesus na história do cinema”.

Quando foi lançado no Festival de Veneza, há 50 anos, o filme foi censurado pela Santa Sé sob a alegação de que seu teor era “pouco sagrado” e que narra um Jesus “demasiadamente humano”.
Pier Paolo Pasolini
Pasolini era ateu, comunista e homossexual. Ele foi brutalmente assassinado aos 53 anos em 1975
“Esta é das maiores obras-primas do cinema mundial e certamente é o melhor filme já feito sobre a vida de Jesus. "A humanidade febril e primitiva que o diretor mostra na tela termina por conceder um novo vigor ao verbo cristão, que aparece neste contexto mais atual, concreto e revolucionário”, escreve o jornal.
"A humanidade febril e primitiva que Pasolini mostra na tela termina por conceder novo vigor ao verbo cristão, que aparece neste contexto mais atual, concreto e revolucionário", afirma o texto. "O filme fala das periferias geográficas e existenciais", comentou Giovanni Maria Vian, editor-chefe do jornal.
A obra foi abençoada como uma “performance inspirada por um realismo sincero”. No filme de Pasolini, Jesus aparece com um líder politizado e combativo. A mãe do diretor interpretou Maria, e os outros papéis ficaram a cargo de atores amadores.