quarta-feira, 24 de junho de 2015

O hipster está morto. Saiba quem são os yuccies

hipster-20Por Zém - Bem, se você é do tipo que entrou na onda hipster agora, você está navegando contra a maré. Como sabemos, o hipster se afasta de tudo o que é mainstream, ou seja, aquilo que os meros mortais gostam e usam.
Estão esqueça aquela barba malhada ou bigode longo, tipo vitoriano. Aquela camisa xadrez sobre uma camiseta e calça jeans colada, e também aquele gorro e botas, mande tido isso às favas. Aquele sapato Oxford (sem meias, é claro) ou aquele tênis All Star Converse, esqueça. Também não esqueça de dar um fim naquele óculos Ray-Ban, modelo Wayfarer. Isso porque o hipster está morto.
Em primeiro lugar, um escritor norte-americano chamado David Infante diz ter esculpido uma nova tendência de geração (ou comportamento), batizada de yuccies. Segundo ele, trata-se de um cruzamento entre o yuppie e o hipster.
yucciesO que seria isso então? Em artigo escrito no site Mashable, ele explica a definição de yuccies: young  urban creatives (algo como jovens criativos urbanos). Em outras palavras, os yuccies são, em tese, aqueles que têm como profissão aquilo que amam fazer. Preferem satisfação pessoal a dinheiro e não se adaptam a empregos formais e corporativos.
Ele não seria um hipster? Segundo Infante, não. Para ele, o hipster se tornou uma “ferramenta de marketing”, porque é muito genérico. “Quando todo mundo está rejeitando o mainstream, isso é mainstream. Quando todo mundo é hipster, ninguém é hipster”.
YucciesCom o desejo de ser não convencional e de se tornar rico, o yuccie seria um "freelancer capitalista inspirado na contracultura". "Na realidade, longe de ser um novo conceito, o yuccie estaria na encruzilhada entre vários grupos sociais (ou tipos de consumidores). Ele quer ser tão bem sucedido como o yuppie e tão criativo como o hipster", finaliza David. Percebeu?
Além de Infante, a colunista Morwenna Ferrier, do jornal britânico The Guardian, também matou hipster. Para ela, a definição da palavra hipster mudou nos últimos anos. O que era um termo para designar uma contracultura de pessoas criativas que moravam em bairros afastados acabou virando uma palavra pejorativa.
Em uma entrevista, ela reproduz as palavras de Chris Sanderson, um "futurologista" e fundador da agência de tendências The Future Laboratory, “O hipster morreu no momento em que começamos a chamá-lo assim. Com isso, a palavra deixou de ter o mesmo significado".
hipsterPara Sanderson , quando um estilo ou comportamento vira tendência (ou torna-se popular), deixa de estar à frente (o que é a definição do próprio termo). Por isso, ele acredita que haja os hipsters e os proto-hipsters.
O segundo tipo seria aquele que "se afastam das normas": "Através dos anos, eles inspiraram uma nova geração de tipos urbanos jovens que transformaram a noção de hipster em uma paródia comercial malfeita. Então,  eles se apropriaram do estilo de vida e da mentalidade dos proto-hipsters".
Mas qual é o próximo passo? Chris Sanderson acredita que "haverá uma queda na moda das calças skinny e dos cabelos longos e “femininos” nos próximos anos" e a ascensão de um "visual mais machão, próximo de uma caricatura, para que os homens reforcem suas identidades"
hipster 3Andando na contramão da tecnologia, a nova onda bizarra entre os hipsters é levar a máquina de escrever para cafés, praças e salas de aula.